BiografiaBoécio

Homem de Estado, filósofo e poeta latino. Nasceu em Roma por volta de 480 d. C. e morreu em 524. Ele mesmo nos forneceu um breve um breve resumo de sua vida no primeiro livro de sua obra mais célebre, A Consolação da filosofia. Descendia de da antiga família Anicius: cristã havia mais de um século, ela prestara importantes serviços ao Império. Seu pai, que fora consul em 487, morreu muito cedo, e o jovem Boécio encontrou um mestre e amigo na pessoa de Quinto Aurélio Símaco, por quem durante toda a vida teve profunda veneração e com cuja filha, Rusticiana, mais tarde ele se casou. Dono de ampla cultura - conhecia perfeitamente o grego -, dedicou-se primeiro ao estudo e concebeu o grandioso projeto - que só realizou parcialmente - de traduzir para o latim toda a obra de Platão e a de Aristóteles, com o objetivo de mostrar que as diferenças de seus sistemas filosóficos são apenas aparentes. Depois entrou na carreira de magistratura, em que teve sucesso raro e singulas: foi questor, depois cônsul em várias ocasiões, com apenas trinta anos. Até então, como ele mesmo diz, sua felicidade foi perfeita. Tido em grande consideração por Teodorico, estumado e amado pelos homens mais ilustres de sua época, entre os quais Cassiodoro e Enódio, cumulado de afeto por uma família ideial, invejado por sua cultura e por sua força, parecia não ter nada mais a desejar. Mas, em pouco tempo, sua sorte muda. A queda foi mais rápida do que a ascensão. Depois de defender em Verona, na presença do próprio Teodorico, o senador Albino, acusado de traição em favor do imperador Bizâncio, Justiniano I, viu-se implicado na acusação. Foi preso em Pavia, condenado à morte e executado em meio aos mais atrozes suplício, em 524. Foi evidentemente uma condenação política; mas logo ela assumiu significado religioso. O condenado foi considerado santo e recebeu as hinras de mártir. Enquanto homem político, Boécio merece um lugar na história da Itália, por ter tentado de todas as maneiras um acordo e uma união entre romanos e godos. Um brusco despertar de barbárie no espírito de Teodorico fez fracasssar sua generosa tentaiva, a qual pagou com a vida. Mas Boécio ocupa um lugar ainda maior na história da cultura e da civilização européias; na história da cultura, por ter tornado acessíveis ao mundo ocidental as fontes gregas do saber graças a suas traduções de certos tratados fundamentais de filosofia (Categorias, Sobre a Interpretação e outros escritos sobre lógica de Aristóteles, o Isagoge de Porfírio) e das artes do quadrívio, fornecendo assim aos eruditos instrumentos de pesquisa indispensáveis; na história da civilização por ter levado as gerações futuras meditarem sobre A consolação da filosofia, escrito na prisão, que foi, depois da Bíblia e de A regra Monástica de São Bento, a obra mais lida na Idade Média. Mesmo despojado de elementos lendários que logo se sobrepuseram a ela, a figura de Boécio continua sendo uma das mais significativas do fim da latinidade. Foi escolhida com razão como símbolo do declínio de uma civilização e do inicio de uma nova era, aquela da qual nasceu - após uma laboriosa e decunda fusão de elementos antigos e recentes - a civilização moderna. (Ezio Franceschini)

Sem estoque Informe o seu e-mail e o notificaremos assim que o produto chegar em nosso estoque:


Enviar Cancelar